Projeto coleta a água que sai dos aparelhos instalados pelo campus e reaproveita na limpeza e irrigação de jardins

Uma ideia simples, mas de grande impacto, tem contribuído para ajudar o Campus Santa Teresa a contornar a crise hídrica e a escassez de chuva sofridas nos últimos meses. Um projeto realizado por alunos do ensino médio integrado tem coletado a água que sai dos aparelhos de ar-condicionado instalados pelo campus para ser aproveitada no chamado “uso não-potável”. Atualmente, 40% da água gasta na instituição com limpeza e irrigação de jardins vem dos aparelhos de ar-condicionado.

Emanuel, professor Elvis e Ester participam do projeto no Campus Santa Teresa. Foto: Alex Gouvêa – Estúdio Gazeta

O projeto teve início no final de 2015, a partir da ideia de quatro alunos do curso técnico integrado em Meio Ambiente. Agora é monitorado por alunos do curso técnico em Agropecuária. No primeiro estágio do projeto, os estudantes fizeram um levantamento do número de aparelhos instalados no campus, potência dos equipamentos e vazão durante um ano.

Segundo os dados da pesquisa, considerando o quantitativo de aparelhos de ar-condicionado em funcionamento no campus Santa Teresa, foi possível determinar que a produção de água pela condensação dos aparelhos foi de aproximadamente 173 mil litros por ano letivo. Um único prédio do Campus Santa Teresa produz 500 litros de água por semana.

Nosso campus tem 163 aparelhos em funcionamento todos os dias, com potência entre 7.500 e 80.000 BTUs. Então somos a instituição de ensino com a maior produção de água em ar-condicionado de todo o país”, explica Elvis Pantaleão, técnico do Laboratório de Solos e Meio Ambiente do campus e responsável pelo projeto.

Algumas escolas de São Roque do Canaã visitaram o campus para replicar o projeto em suas unidades. “Não é apenas o poder público que tem a responsabilidade de resolver um problema hídrico, mas pequenas atitudes também contribuem para auxiliar”, opina Elvis.

O projeto foi apresentado no 8º Congresso Mundial WFCP, evento internacional de universidades e instituições de ensino profissional e técnico, realizado em setembro do ano passado na Praça do Papa, em Vitória, e obteve o terceiro lugar no espaço de Experiências Exitosas em Linhas de Pesquisas.

Para os estudantes, o projeto dá uma visão interessante de meio ambiente. “Ficar atento às questões ambientais é algo que temos de fazer para garantir o nosso futuro”, frisa Esther Chiabai Alves, aluna do curso técnico integrado em Agropecuária, responsável por fazer a coleta da água para análise e, posteriormente, liberar para o uso na limpeza do campus.

“A água usada na escola é bombeada do subsolo, retirada direto da natureza. Então, através deste projeto, reduzimos em 40% a quantidade de água que seria retirada para a limpeza do campus”, completa Emanuel Westphal, 30 anos, recém-formado no curso técnico integrado em Agropecuária, e que ajudou na instalação das tubulações de recolhimento da água descartada pelos aparelhos.