Pesquisa realizada por alunos do Campus Nova Venécia vai detectar gargalos que atrapalham o desenvolvimento do comércio da região

Atendendo uma demanda da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do município, o Campus Nova Venécia realizou uma pesquisa para detectar os gargalos que atrapalham o desenvolvimento do setor comercial varejista, responsável pela geração de aproximadamente 5 mil empregos na cidade. O levantamento de dados, realizado durante 2016, será apresentado em uma cartilha que deve ser lançada em julho deste ano.

Para atender uma amostragem da pesquisa, foi escolhido o ramo de varejo de vestuário, que tem uma grande abrangência na cidade. Dois alunos do curso técnico em Edificações foram capacitados pelo Sebrae para ir ao comércio entrevistar os gestores das empresas.

A professora Kesia Zoteli, o comerciante Dino Gusson Gera e Gabriela, aluna-bolsista, participam do projeto. Foto: Alex Gouvêa – Estúdio Gazeta

Os dados foram tabulados e, embora a demanda inicial fosse analisar a mão de obra do setor, a pesquisa acabou detectando que falta capacitação dos gestores. “Quando chegamos à conclusão, notamos que não era só no operacional que havia problemas, mas também no setor estratégico das empresas”, explica a professora Kesia Zoteli, coordenadora do trabalho.

O próximo passo da parceria será preparar uma cartilha para gestores e colaboradores do ramo. “Apenas apresentar o problema é fácil. Nosso compromisso é ajudar a buscar uma solução para esse gargalo do setor. A proposta é no futuro programar cursos de capacitação  por meio das atividades de extensão do campus para trabalhar ferramentas de gestão com os empresários e qualificar o comércio”, afirma Kesia.

Em dois meses, a bolsista Gabriela Porto visitou mais de 50 lojistas. A pesquisa, direcionada aos gestores das empresas, abordava desde fluxo de caixa, gerenciamento de capital, capacitação do funcionário, ações de marketing, quantidade de colaboradores, controle da área contábil da empresa, entre outros temas.

Fomos às empresas para fazer as entrevistas do questionário. Levantamos informações sobre o perfil dos gestores e o que chamou a nossa atenção é que a questão da falha de capacitação era replicada em todas as empresas, com problemas de gerenciamento em comum”, afirmou Gabriela Porto.

Ganhou destaque a maneira como ocorre o planejamento das empresas. Um percentual muito pequeno delas desenvolve um planejamento a longo prazo. “Notamos que as empresas não têm uma perspectiva, uma visão de futuro mediante um planejamento. Então ficam voltadas apenas para a rotina. A falta de uma visão de futuro dificulta a solução dos problemas diários”, diz.

De acordo com os dados levantados pela pesquisa, a grande maioria das lojas tem mais de 10 anos de mercado e são de pequeno e médio porte, com sócios familiares atuando diretamente da gestão da empresa. Com número razoável de empresários com graduação superior, porém de áreas variadas como Direito e Pedagogia, e poucos na área de Administração.

Paulo Maestri, ex-presidente da CDL. Foto: Alex Gouvêa – Estúdio Gazeta

Marco

Segundo o ex-presidente da CDL de Nova Venécia, Paulo Maestri, a demanda da pesquisa surgiu do crescente nível de exigência dos consumidores e vai servir de marco para o varejo veneciano. “Temos que nos especializar e tornar referência nesse segmento, melhorando o empresário, a equipe de trabalho e trazendo benefício para a sociedade”, afirma.

Com 31 anos de atuação em Nova Venécia, o comerciante Adino Gusson Gera, 56 anos, acredita no desenvolvimento do setor após pôr em prática as descobertas do estudo. “Essa pesquisa vai chegar nas mãos dos gestores públicos e, em  parceria com os lojistas, vamos buscar as soluções dos problemas em conjunto”.