Desde o ano passado, grupo de professores toca o projeto Instituto Federal para Todos, que oferece preparação gratuita para quem deseja ingressar no Ifes

Professores do Campus Cariacica dão aula em curso preparatório. Fotos: Wilton Prata – Estúdio Gazeta

Ocupar uma das cadeiras do Ifes é um sonho para muitos estudantes do Estado, que veem na instituição uma oportunidade de cursar uma educação pública que é sinônimo de excelência e ter um diploma reconhecido no mercado de trabalho. Para alguns alunos da rede pública de ensino, no entanto, esse sonho pode parecer distante, já que o ingresso na instituição é bem concorrido.

Graças a uma iniciativa do Campus Cariacica, esse desejo está mais perto de se tornar realidade. Desde o ano passado, um grupo de professores da instituição toca o projeto Instituto Federal para Todos, curso preparatório gratuito e de qualidade voltado a alunos de escolas públicas do município, para que eles possam prestar o Processo Seletivo do Ifes mais qualificados, aumentando a chance de aprovação.

A ideia surgiu dos próprios professores, que quiseram dar oportunidade para alunos que não tinham condição de pagar por um curso. “Nossa missão era oferecer um ensino de qualidade e gratuito. Todo mundo está aqui porque comprou a causa, porque quer fazer algo pela comunidade”, afirma Renata Có, coordenadora do projeto e professora de Administração e Logística do Campus Cariacica.

“A nossa única exigência era que fossem alunos de escola pública, porque sabemos que são esses alunos que têm mais dificuldade de fazer um curso preparatório de qualidade”, complementa o coordenador adjunto do Instituto Federal para Todos, o professor de Matemática Adolpho Olimpio.

De junho a novembro, uma média de 45 alunos frequentaram as aulas, ministradas sempre às terças e quintas-feiras, das 13h30 às 17h30, no próprio campus do Ifes. Os alunos aprenderam conteúdos de todas as disciplinas cobradas no processo seletivo, como Português, Matemática, Geografia e História.

“O que falamos para os alunos desde o primeiro dia de aula é que estávamos aqui para transformar a vida deles. Sabemos a importância que  uma educação de qualidade pode ter para as pessoas e queremos dar essa oportunidade a todos, para que eles possam entrar no Ifes e, assim, tenham também a oportunidade de cursar uma faculdade”, diz Renata.

A aproximação do Ifes  com a comunidade é um dos destaques do projeto, na opinião de um dos professores voluntários, o geógrafo Hudson Covre Pereira. “O Instituto Federal para Todos é extremamente importante, não só por ajudar quem não teve uma formação que permita o acesso direto ao Ifes, mas também para desenvolver mais o conhecimento do mundo entre esses alunos. Aqui eles enxergam oportunidades, mesmo que não passem no processo seletivo. É uma forma de aproximar o Instituto da comunidade”, comenta.

E não só os professores se dedicaram à causa. O aluno Luziel Felipe Alves Junior, 18 anos, também deu sua contribuição. Cursando o último ano do técnico em Portos em 2016, ele atuava de segunda a quinta-feira como monitor de informática na unidade. Às sextas, decidiu ajudar o projeto como monitor de Matemática, Química e Física, corrigindo exercícios dos alunos.

E ajudando os outros, ele também aprendeu muito. “À noite eu fazia pré-vestibular, então não tinha muito tempo para estudar, apenas nos finais de semana. Então, enquanto eu tirava dúvidas dos alunos do projeto, eu acabava revisando conteúdos que caíam  no Enem. Eu ensinava e aprendia”, revela o estudante.

E aprendeu mesmo: Luziel foi aprovado para Engenharia Civil no último vestibular da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Mesmo fora do Ifes, ele pretende continuar contribuindo com o projeto. “Assim que me adaptar à vida na universidade, vou arranjar um tempo para seguir com o atendimento aos alunos”, afirma.

No ano passado, os coordenadores apresentaram o projeto em algumas escolas e os alunos foram indicados pelos gestores desses colégios. Neste ano, a seleção será diferente. “Vamos fazer um processo seletivo, com provas de Português e Matemática. O objetivo é dar oportunidade a todos os que estejam interessados e tornar os critérios do ingresso mais objetivos”, esclarece Renata.

Desafios

A empreitada de tocar o projeto Instituto Federal para Todos de forma voluntária é gratificante, mas nem sempre foi fácil. Alguns alunos tiveram dificuldade de acompanhar o curso ou mesmo tiveram que abandoná-lo devido à carência financeira.

“Muitos não tinham nem dinheiro para pagar a passagem e outros vinham direto da escola sem almoçar, ficavam sem comer. Percebemos que a autoestima deles também estava bem baixa. Conversávamos muito com eles, para mostrar que era possível estudar no Ifes”, conta Adolpho.

Para este ano, os professores pretendem não só manter a iniciativa, como conquistar mais estrutura. “Estamos em busca de parcerias para oferecer o material básico para os alunos, como caderno e caneta, e também para alimentação e para uma camisa para identificá-los”, explica o coordenador adjunto.

“O projeto me ajudou muito. Se não fosse por ele, eu nem teria tentado a seleção. Não consegui passar, mas minha pontuação não foi baixa. Acho que neste ano eu consigo, é só me esforçar. Neste ano entrei no ensino médio em uma escola aqui de Cariacica, mas vou fazer a prova de novo. Acho que vale a pena repetir um ano para poder estudar no Ifes. Aqui posso estudar em um bom colégio e realizar meu sonho de cursar Engenharia Mecânica”, diz David da Silva Gomes, 15 anos.