Equipe de handebol feminino de Nova Venécia é destaque nos Jogos Estaduais do Instituto Federal do Espírito Santo (Jifes) e, há anos, acumula troféus

Quando a equipe de handebol feminino do Campus Nova Venécia entra em quadra para disputar os Jogos Estaduais do Instituto Federal do Espírito Santo (Jifes) os adversários já sabem o desafio que terão pela frente. Desde 2013 o time do Norte tem a hegemonia na modalidade, resultado de um trabalho que une o rendimento da sala de aula com as quadras.

A competição estadual teve a sua primeira edição em 2012 e reúne estudantes  dos cursos técnicos integrados dos campi do Ifes em disputas  em modalidades  como futsal, vôlei, handebol, xadrez e atletismo. Os campeões ganham o direito de representar o Estado na etapa Sudeste dos Jogos dos Institutos Federais (JIF), que por sua vez serve de seletiva para os jogos nacionais. Além do tetracampeonato local, a equipe veneciana já conquistou o Sudeste três vezes, e também é bicampeã brasileira.

E todo esse sucesso começou com uma eliminação dolorosa. Em 2012, na primeira edição do Jifes, o  campus conquistou um quarto lugar no futebol, prata no basquete masculino, e um bronze no vôlei, todas no masculino. O handebol feminino caiu ainda na primeira fase. Mas a campanha motivou as atletas.

O resultado de 2012 foi um start para a gente. Entramos para ganhar experiência e perdemos partidas apenas por detalhes, em jogos muito equilibrados, mesmo tendo um elenco novo e sem muita preparação. As meninas perceberam que poderiam dar um passo a mais, bastava treinar forte desde o início do ano e se preparar para a disputa do Jifes seguinte”, diz o professor de Educação Física e técnico do time, Felipe Cuquetto Piekarz.

A mudança passou pela melhoria das instalações esportivas do campus. Além da construção de uma quadra e um campo,  o campus também investiu em equipamentos para várias modalidades, como dardo de fibra, colchões e sarrafo para atletismo, e uniformes e bolas para esportes de quadra. E teve reflexo também nas salas de aula: entre os praticantes de esportes, caiu o número de alunos que abandonavam os estudos.

Goleira de handebol, Karolyne Fioroti, acredita que os resultados estão diretamente ligados à melhoria de estrutura. “Como sou goleira, se eu treino em uma quadra com piso ruim e que eu sei que vou me machucar se eu me jogar, eu vou acabar não me dedicando nos treinos. A segurança para treinar ajuda na sua evolução como atleta. Como sei que ali eu não corro perigo, posso me dedicar mais”, afirma a aluna do curso técnico em Edificações.

Com os quatro títulos estaduais consecutivos, a equipe ganhou o direito de disputar a etapa Sudeste “Quando saímos para a disputa do Sudeste ou do nacional, não estamos mais representando apenas Nova Venécia, e sim o Espírito Santo”, afirma a goleira, que esteve em três dos quatro títulos  do time no Jifes, além de ser parte do grupo que conquistou duas medalhas de ouro no Sudeste e foi campeã dos jogos nacionais no ano passado.

Recorde no atletismo

Campeã estadual, regional e nacional no handebol, a ex-aluna Julia Bernardi tem um outro feito defendendo o Campus Nova Venécia.  Por meio da visão do técnico, a aluna foi incentivada a disputar provas de salto em altura. Em 2014, durante a disputa dos jogos do Sudeste, ela foi inscrita em uma vaga que surgiu por desistência de uma atleta e, mesmo com apenas duas semanas de treino, conquistou o título e o direito de disputar o nacional daquele ano. No nacional  em Natal (RN), ela alcançou 1,57m, marca até hoje não superada por ninguém.

A detentora do recorde acredita que é importante não desassociar estudo e esporte, e vê o  comprometimento como fórmula do sucesso do campus. “O esporte não pode ser visto como um empecilho para o estudo, prejudicando o desempenho na escola. O esporte exige seriedade, compromisso e disciplina, e isso ajuda na parte acadêmica, já que o aluno leva essa formação social”, afirma.