Projeto desenvolvido pelo Campus Barra de São Francisco possibilita que jovens participem de capacitação e ainda tenham vagas como menor aprendiz em grandes empresas

A chance de ingressar pela primeira vez no mercado de trabalho, fazer um curso de qualificação e ainda ajudar a família com uma fonte de renda é o principal objetivo dos adolescentes que participam do programa Jovem Aprendiz, instalado de forma pioneira em Barra de São Francisco,  por meio do campus. O projeto teve início no ano passado e atende 48 estudantes, a maioria de escolas públicas da cidade e da vizinha Mantena (MG), empregados em 17 empresas da região.

Alunos do Campus Barra de São Francisco – Foto: Alex Gouvêa – Estúdio Gazeta

A demanda surgiu da necessidade dos empresários da região em se adequar ao que foi estabelecido na chamada Lei da Aprendizagem (nº 10.097/2000 e regulamentada no decreto nº 5.598/05) que obriga empresas a contratar um percentual de, no mínimo, 5% de jovens aprendizes em seu quadro de funcionários.

Segundo a professora do Campus Barra de São Francisco Katucha Kamilla Marques Pereira, coordenadora do Jovem Aprendiz, a proposta é promover formação educacional e profissional para adolescentes de 14 a 17 anos matriculados em outras escolas, que fazem o curso de Assistente em Administração no campus e têm um contrato de trabalho vinculado com empresas da região.

O contrato de trabalho é de 1 ano e dois meses, tempo de duração do curso. Os jovens desempenham atividades administrativas em concessionárias de veículos, supermercados, empresas de granitos, lojas de departamento e empresas de transporte. O aprendiz tem carteira assinada, recebe em torno de meio salário mínimo e direitos trabalhistas garantidos. A empresa ainda paga para os estudantes fazerem o curso, já que parte da carga de 20 horas semanais de trabalho é cumprida na sala de aula com o curso de capacitação.

“O aluno tem o compromisso de ter boas notas. O curso serve como trabalho, faltar às aulas gera desconto do salário, como se fosse faltar a um dia de trabalho. O Campus Barra de São Francisco é o primeiro  do Brasil a oferecer o curso do programa Jovem Aprendiz. Já existe uma lista de espera imensa para a segunda turma, que deve ser aberta em agosto deste ano, com 40 novas  vagas”, explica Katucha Kamilla, que diz, ainda, que até hoje não houve nenhum caso de evasão por atitude disciplinar.

“Os alunos são muito elogiados pelos empregadores por sua dedicação ao trabalho e pela formação e conhecimento. Em alguns casos, o salário obtido pelo aluno contribui diretamente na renda familiar. O projeto é uma medida social que ajuda adolescentes que, em muitas vezes, estão em vulnerabilidade social”, afirma a coordenadora.

No curso os estudantes aprendem as diversas funções de um setor administrativo, como técnicas de organização de arquivos, atendimento ao público, informática, formatação e criação de planilhas, internet, envio de e-mails, finanças, gestão de pessoas, além de aprender linguagem formal e legislação trabalhista e tributária.

Alunos da Escola Estadual João XXIII, de Barra de São Francisco, os jovens Nayara Andrade, 15 anos, Schelzi Soares e Filipe Betim, ambos de 17, estão trabalhando na filial francisquense da Viação Pretti. Eles fazem prestação de contas, dão baixa em mercadorias, organizam documentação e cadastro de informações de tráfego no sistema da empresa, entre outras atividades administrativas no escritório da empresa.

“É uma  ótima experiência trabalhar em uma empresa de grande porte. Somos tratados como qualquer funcionário, temos que cumprir com as regras, e isso nos dá um enorme senso de responsabilidade. Além de ser inserido no mercado de trabalho, saímos capacitados na função de auxiliar administrativo”, diz Schelzi, que assim como os dois colegas, está poupando parte do salário para ajudar no prosseguimento dos estudos.

Exemplo

Alunos do Campus Barra de São Francisco. Foto Alex Gouvêa – Estúdio Gazeta

Alcylon Carlos de Melo, gerente da filial, só tem elogios aos três alunos que trabalham na empresa nos últimos nove meses. “Eles interagem, conhecem o mercado de trabalho, demonstram muito interesse, são extremamente pontuais. Eles atendem bem às demandas. Em pouco tempo já pegam

o hábito do serviço administrativo. Já existe a possibilidade de contratá-los após o fim do período do contrato de aprendiz. É gratificante saber que a sua empresa está inserindo um jovem no mercado de trabalho”.